HISTÓRIA

SBPC – Nacional

 

A história da Sociedade Brasileira Para o Progresso da Ciência (SBPC) está profundamente imbricada ao processo de evolução social, político e econômico brasileiro das últimas seis décadas. O marco de criação dessa trajetória foi em 8 de julho de 1948, quando um grupo de cientistas, reunido no auditório da Associação Paulista de Medicina, decidiu fundar uma Sociedade para o Progresso da Ciência, nos moldes das que já existiam em outros países. Era um momento da história da humanidade marcado pelo fim da segunda guerra mundial, e por todo o planeta as nações tomavam consciência da necessidade imprescindível de incentivar a ciência para promover o desenvolvimento social e econômico.

 

Os primeiros anos de existência da SBPC coincidem com o reconhecimento e a institucionalização da ciência no Brasil, com a criação pelo governo federal de organizações como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq, 1951), e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes, 1951). São essas organizações, aliadas a uma rede de instituições de ensino superior que se estruturava, e ao fortalecimento da comunidade científica, que aos poucos permitiram ao País demonstrar a capacidade de produzir e utilizar conhecimento científico e tecnológico.

 

A SBPC cumpriu um papel fundamental de resistência durante os 20 anos de governo militar (1964 – 1984), sobretudo manifestando-se contra perseguições a professores, pesquisadores e estudantes, e a interferências nos sistemas educacional e científico, que pudessem ferir a autonomia das universidades. Paradoxalmente, durante o governo militar foram criadas organizações que vieram a impulsionar o desenvolvimento científico e tecnológico, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa, 1972) e a Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer, 1971).

 

Nos anos 1980 a SBPC lançou a revista Ciência Hoje (1982) e posteriormente o Jornal da Ciência (1987), canais efetivos de comunicação entre a comunidade científica e a sociedade. A partir de meados de 1980, com o retorno do regime democrático, foi criado o atual Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCT&I, 1985) que possibilitou o fortalecimento do sistema nacional de C&T. Programas de pós-graduação de qualidade, instituições de pesquisa e desenvolvimento, e fundações de amparo à pesquisa na maior parte dos estados brasileiros, levaram a um consequente papel de destaque da ciência brasileira no cenário internacional.

 

Atuação e abrangência

 

A SBPC é uma entidade civil, sem fins lucrativos ou posição político-partidária, voltada para a defesa do avanço científico e tecnológico, e do desenvolvimento educacional e cultural do Brasil. Desde sua fundação exerce um papel importante na expansão e no aperfeiçoamento do sistema nacional de ciência e tecnologia, bem como na difusão e popularização da ciência no País.

 

Sediada em São Paulo, a SBPC está presente nos demais estados brasileiros por meio de Secretarias Regionais. Representa mais de 100 sociedades científicas associadas e mais de 6 mil sócios ativos, entre pesquisadores, docentes, estudantes e cidadãos brasileiros interessados em ciência e tecnologia.

 

A SBPC participa ativamente de debates sobre questões que determinam os rumos das políticas de C&T e da educação no Brasil. Tem assento permanente no Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (CCT), órgão consultivo do Governo Federal para definição das políticas e ações prioritárias no campo da C&T. Possui representantes oficiais em mais de 20 conselhos e comissões governamentais. Periodicamente institui grupos de trabalhos – compostos por cientistas renomados em suas especialidades – com o objetivo de estudar e apresentar propostas para questões específicas de interesse nacional.

 

Anualmente, a SBPC realiza diversos eventos, de caráter nacional e regional, com o objetivo de debater políticas públicas de C&T e difundir os avanços da ciência e por meio das Secretarias Regionais, são realizadas ainda outras atividades de difusão científica.

 

SBPC – Regional Goiás

 

A partir do início da década de 1990, pesquisadores goianos se reuniram em torno da defesa de constituição de uma fundação goiana de amparo e financiamento de pesquisa. Um dos primeiros e mais importantes avanços nessa luta foi o reconhecimento da Secretaria Regional de Goiás pela SBPC Nacional.  A partir daí, o movimento se intensificou e em 29 de dezembro de 1994 foi aprovada em Goiânia, a Lei Municipal 7.380 dispondo sobre a criação do Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia (CONCITEGO) e do Fundo de Apoio à Ciência e Tecnologia de Goiânia (FACITEGO), este com a finalidade de financiar projetos, programas e atividades aprovadas no âmbito daquele conselho. Estava esboçado o projeto piloto de consolidação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás – FAPEG criada, posteriormente, pela Lei 15.472 de 2005 (Dossiê: FAPEGO).

 

Em 2004, durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, no dia 21 de outubro, na cidade de Goiânia, a SBPC - Regional Goiás lança o projeto: “A Ciência em Goiás e suas Contribuições para o Brasil do Século XXI”. Nessa ocasião, foi apresentado o primeiro episódio do documentário em vídeo, produzido pela SBPC – Regional Goiás, Cerrado: Uma trilogia.

 

Com o objetivo de propiciar um melhor entendimento sobre a realidade em que vivem a grande maioria dos indivíduos na sociedade brasileira e entender, através deste aprofundamento, o estágio em que esta própria sociedade se encontra e. a partir daí, criar mecanismos eficientes de descentralização do conhecimento, em caminhos de mãos duplas entre a ciência e a sociedade, buscando contribuir na consolidação de uma consciência coletiva de nação, que possibilite o desenvolvimento sustentável e uma distribuição equânime da riqueza gerada, através da utilização deste próprio conhecimento através da aplicação de uma estratégia intitulada: Popularização da Ciência.

 

Na consecução destes objetivos, foi proposto como início das ações programadas para o ano de 2005, a abertura em caráter permanente do Fórum em C,T&I do Cerrado da SBPC – Regional Goiás.

 

Esses encontros permaneceram sendo realizados na cidade de Goiânia, até o ano de 2007. Em 2008, a SBPC – Regional Goiás, com o intuito de ampliar esse processo iniciou a regionalização de suas ações, realizando o seu IV Fórum, em parceria com a FESURV, na cidade de Rio Verde/Goiás, concomitante a V Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Em 2009, a SBPC – Regional Goiás realizou a VI Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, com o tema Ciência no Brasil, em ação conjunta com a Universidade Federal de Goiás – Campus Catalão. Em 2010, com o tema Ciência, Tecnologia e Sustentabilidade, em parceria com a Sect de Anápolis foi realizado o 6º Simpósio de C&T e V Fórum de C&T do Cerrado.

 

Já em 2013, as ações se direcionaram para a ampliação dos mecanismos de financiamento de pesquisa no Estado de Goiás. O VI Fórum de C,T & I do Cerrado, com o tema Consolidar, Ampliar e Integrar as Políticas de Ciência, Tecnologia & Inovação em Goiás, foi uma importante etapa deste processo ao traçar, conjuntamente com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (FAPEG), com Secretarias Municipais de C&T e demais pesquisadores, a meta da Criação das FAPs Municipais e de um fundo municipal no intuito de fomentar as pesquisas no interior do estado.

 

O Prêmio SBPC/GO de Popularização da Ciência, marcou as atividades do primeiro semestre da regional em 2014 e contou com a participação de mais de 80 estudantes premiando os quatro melhores trabalhos em seis áreas de conhecimento. Estes trabalhos foram publicados em impressos no livro "Coletânea de Artigos Premiados" e disponibilizado em e-book nesta página. No segundo semestre de 2014, em parceria com IFG e a secretaria municipal de C&T de Rio Verde, realizou-se o VII Fórum de CT&I do Cerrado como tema: FAP's municipais: a interiorização da pesquisa em Goiás, que contou com a participação de pesquisadores, professores, instituições municipais e sociedade em geral.

 

Saiba mais sobre os projetos em andamento na aba: AÇÕES

Apoios: